23/02/2009

PME's no centro da política económica



DATA: 26 de Fevereiro
LOCAL: Braga - Hotel Turismo
HORA: 21h

COORDENADOR EXECUTIVO: Paulo Cutileiro Correia
COORDENADOR DA SESSÃO: Rui Trindade
MODERADOR: Vítor Bento (Economista)
ORADORES: Armindo Monteiro (Empresário) António Saraiva (Empresário) Ana Paula Rafael (Empresária)

"Curriculum dos intervenientes"

12 comentários:

Joao Pedro Lucena disse...

Boa iniciativa. No entanto concordo com aqueles que dizem que expressão visual de uma iniciativa ajuda o receptor a construir uma ideia/imagem. Neste contexto, o logotipo do nosso forum, podendo manter a a sua estrutura, deve melhorar o seu estilo dando-lhe um ar mais modernó, mais jovem e mais dinâmico...A solução actual parece tirada dos anos 70.

Natália Abreu disse...

Espantosamente o lançamento da iniciativa decorreu em Setúbal, mas parece que passou um pouco ao lado de quem dirige e redige este blog.
As PME's foram abordadas pela Drª Manuela Ferreira Leite na intervenção que fez em Setúbal e onde estiveram algumas dezenas de militantes.
Eu estive lá, vi e ouvi! Parece que afinal não vi nem ouvi nada, mas que sonhei, porque afinal isso vai acontecer em Braga.
Eu sou adivinha!

Manuel F. disse...

Provavelmente este tema e sendo isto um fórum que vai andar pelo País, vai ser discutido em Braga e outras cidades. E ainda bem, as pequenas médias empresas são realmente um importante motor da nossa indústria e sector terciário.

João Gomes disse...

Será que as PME's portuguesas podem sobreviver num país onde a carga fiscal atinge cerca de metade do Produto Interno Bruto?

Li as propostas do PSD para as PME's. Espero que tenham oportunidade de as pôr em prática, senão, qualquer dia, mais vale fechar o País.

Sara Rodrigues disse...

Tem sentido beneficiar as PMEs em termos de impostos e custos? Esta discriminação é suficiente para assegurar a competitividade destas empresas numa economia globalizada?

Carlos Santos disse...

Ouvi e li com atenção as propostas do PSD para as PMEs e fiquei com a seguinte dúvida: Quanto custa este programa e qual a consequência estimada para o défice?

António Correia disse...

Todos reconhecemos a importância das PMEs na economia nacional. São a grande maioria das empresas e o maior empregador do País. O PSD apresentou um conjunto de propostas para as PMEs, que parecem ser alternativas ao programa de Obras Públicas do Governo. Como tal, quais são as vantagens de um programa de estímulo à actividade das PMEs face ao programa de desenvolvimento apresentado pelo Governo?

Jorge Pires de Carvalho disse...

O PSD está em movimento! É uma alegria que há algum tempo não sentia!
Também hoje, no Hotel Praia Mar, em Carcavelos, pelas 21h, os companheiros Pedro Passos Coelho e Pedro Holstein Campilho, debaterão diversos temas da actualidade. Para aqueles que não se podem deslocar até Braga, terão também esta oportunidade de exercerem a sua militancia de forma activa

José Garcia disse...

Muitos parabéns pela excelente iniciativa de ontem. Finalmente o PSD reencontrou a dinâmica e a força do passado.

Natália Abreu disse...

Gostaria de responder ao Carlos Santos com os números apresentados em Setúbal pela Drª Manuela Ferreira Leite. Segundo as contas feitas pelo PSD esta iniciativa para apoio às PME's teria um custo relativo de 1% do PIB, ou seja, 1500 milhões de euros.

Poderá encontrar essas e outras informações no seguinte link: http://www.setubaltv.com/stv/index.php? option=com_content&view=category&layout=blog&id=26&Itemid=130

Renato de Oliveira disse...

Excelente iniciativa. As PME são a alavanca necessária para o País sair da crise económica!

As PME são também o melhor motor de "arranque" para combater o desemprego!

Abraço,

Renato

Pedro F. disse...

Estamos num tal da nossa história que, se não são aplicadas as políticas certas e rectas ao tecido empresarial português e se põe o país a retomar o crescimento já em 2010 com base num novo modelo de desenvolvimento, com o final geral dos enormes subsídios da União Europeia agendados para 2013 se não me engano, o país podem bem entrar numa bancarrota a lembrar os tempos negros de 1983.